Aspectos favoráveis do teletrabalho

Aspectos favoráveis do teletrabalho

A pandemia de COVID-19 que se instalou no mundo fez avançar uma forma de trabalho com regras mais flexíveis. E, por isso, precisamos ter muita cautela com os resultados dos estudos que estão sendo realizados que refletem uma percepção do teletrabalho sob o viés deste estado de pandemia. É, portanto, o foco deste artigo pensar em um possível legado na aplicação desta forma de trabalho para além do cenário de pandemia.

O teletrabalho surge para desenvolver diversos aspectos da relação com o trabalho de forma facilitadora e utiliza-se uma nova forma com os diversos dispositivos sociotécnicos. Também redimensiona no espaço e tempo na jornada de trabalho e as relações sociais.

Para que o projeto de mudança para o teletrabalho parcial ou total estabeleça ganhos é necessário identificar as principais atividades que possam ser substituídas para que se enquadrem ao ambiente doméstico. O fornecimento de equipamentos e adaptação de sistemas para o trabalhador são fundamentais. O treinamento das lideranças e dos trabalhadores é necessário para este novo cenário. Dito isto, identificamos diversas possibilidades de ganhos no teletrabalho.

NOVA GEOGRAFIA PARA O TRABALHO

Mister diferenciar as atividades que se identificam com o “trabalho em domicílio” daquelas entendidas como teletrabalho (que envolvem o uso TIC = Tecnologias de Informação e Comunicação). Neste contexto o resultado do trabalho, mesmo do pequeno trabalhador e do autônomo, consegue atingir seus clientes a distâncias não imaginadas.

Centros remotos de assistência em tecnologia da informação, profissionais liberais realizando teleatendimentos, serviços que antes eram vendidos localmente agora conseguem ser distribuídos por todo um país ou mesmo internacionalmente. Seria possível então um médico dar assistência remota a um paciente no Brasil, enquanto mora em outro país.

Como resultado rompe-se as barreiras geográficas do trabalho. A dependência de formas de mobilidade e de deslocamentos diários também acaba por contribuir com maior aproveitamento do tempo. Tempo que pode se transformar na melhoria do autocuidado, desenvolvimento de novas habilidades e participação no convívio com a família.

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL, SOCIAL E HUMANA

Um dos ganhos do teletrabalho está na redução de congestionamentos e poluição por conta da redução de deslocamentos diários e como consequência um movimento da população dos grandes centros para regiões mais afastadas. Novas oportunidades de emprego então surgem em áreas antes rurais ou mais afastadas.

As práticas de gestão e o efeitos dos negócios e da atividade organizacional no ambiente físico, afetam profundamente o ambiente humano e social. Cada vez mais pensar na prosperidade do negócio em tempos de alta exigência de desempenho humano é pensar na manutenção da saúde dos trabalhadores e nos efeitos diretos e indiretos das organizações e suas decisões sobre as pessoas na saúde e morbidade.

O teletrabalho traz grandes avanços que confluem neste sentido. Não somente para os trabalhadores em geral, mas também para os trabalhadores portadores de deficiências que sem a necessidade de deslocamento, por meio do teletrabalho, se abre um mundo de perspectivas profissionais e de ofertas de emprego.

DIGITALIZAÇÃO DOS PROCESSOS DE TRABALHO

Apesar da tecnologia já estar disponível há muito tempo, as empresas utilizavam-se de forma intensa de processos dependentes de documentos físicos e grandes espaços físicos de armazenamento. Com o uso das TICs, a assinatura de um contrato pode levar minutos, sem sequer haver deslocamento para entrega e recebimento. Por fim, se tem um documento com maior segurança da informação e digital, sem uso de espaços físicos de arquivos.

ERGONOMIA

Cada vez mais as empresas vêm adotando ambientes abertos e flexíveis de trabalho. Desprovido de etiqueta ou pacto laboral, estas estações tornam o ambiente mais ruidoso, reduz a concentração das pessoas nas suas atividades e consequentemente prejuízo para seu desempenho. Ainda neste contexto o movimento de “hot desking” (espaços de trabalho sem lugares atribuídos e com criando de espaços mais colaborativos). Na maioria destes lugares a ausência de estação de trabalho para todos cria uma condição favorável para o estabelecimento do teletrabalho e criação de ambientes específicos para o trabalho concentrado ou em projetos, os “quiet spaces”.

Quando parte do tempo dedicado ao trabalho passa a ser em home office surgem infinitas possibilidades de desenho ativo e decidido pelo trabalhador para suas necessidades individuais e ferramentais de trabalho.

Os ajustes no teletrabalho devem permitir se antecipar não somente aos riscos biomecânicos como aos riscos psicossociais e seus impactos na saúde mental dos trabalhadores, adotando medidas preventivas e corretivas. Então este suporte normalmente dado de forma presencial precisa ser remoto, desenvolvendo novas ferramentas que permitam avaliar a jornada e ajustar o conteúdo do tempo de trabalho tais como as pausas e os intervalos, orientar ajustes das estações de trabalho em casa, promover atividade física, meditação, e outras práticas.

SUPORTE SOCIAL E DA FAMÍLIA

O equilíbrio da vida pessoal com a profissional sempre foi tema relevante. Com o teletrabalho, há maior proximidade com o lar do trabalhador. Próximos, porém ao mesmo tempo com um tempo dedicado ao trabalho e que muitas vezes se misturam. As relações e laços familiares ficam mais intensas e isto torna-se também um desafio para o teletrabalho.

O teletrabalho pode ter impactos de diferentes formas para cada perfil sociodemográfico do trabalhador. Sobre o trabalhador que vive sozinho pode levar a maior distanciamento social e solidão enquanto em condições normais (distantes da pandemia) trazer a aproximação da família na vida de casais e com filhos quando propício para isto. O trabalho intelectual pode se beneficiar, e na grande maioria dos casos e é possível identificar potenciais positivos para o trabalhador.

REDUÇÃO DE CUSTOS PARA A EMPRESA

O trabalhador em casa pode se beneficiar tanto no trabalho intelectual quanto para trabalho de suporte remoto e para algumas situações a serem mapeadas pela empresa produzir mais que em escritório. Isto se deve pela quantidade de interrupções e interferências em casa pode ser menor que no ambiente de um escritório convencional.

As empresas podem considerar redução substancial nas despesas com imobiliário e diminuição do espaço no escritório, mas para que isto seja realmente revertido em benefício para a empresa é necessário o investimento nos ferramentais adequados de trabalho mesmo no ambiente domiciliar.

Outra vantagem do teletrabalho para a empresa é que em situações de catástrofes ou pandemias a substituição de muitas atividades para teletrabalho permitem a não suspensão das atividades da empresa.

REPERCUSSÕES PARA A SAÚDE

Uma das maiores preocupações do teletrabalho é sobre o impacto na saúde dos trabalhadores, mas a modalidade traz benefícios como a proteção da saúde em condições desafiadoras gerenciáveis pelo próprio trabalhador e consequentemente permite o seu desenvolvimento.

A redução de deslocamentos traz um possível tempo disponível para o trabalhador. Estar em casa, movimenta-se menos, afeta nosso sono e o mal gerenciamento do tempo pode predispor ao surgimento de doenças crônicas. É possível compensar isto desenvolvendo hábitos saudáveis. Para isto manter a mesma disciplina de rotina de sono/vigília, e adequar o local de trabalho, vestir-se similar ao contexto laboral, manter pausas, intervalos e a duração da jornada. Na dinâmica familiar, priorizar a harmonia das relações afetivas e sexuais. Também, pode facilitar o acesso a fazer coisas novas ou coisas que te dão prazer e não possuía tempo como se organizar para fazê-los.

Ainda importante, os responsáveis pela empresa e SESMT não devem se distanciar do trabalhador. Conectar-se através de canais de escuta, como Serviços de apoio ao empregado (EAP) serviços de suporte psicólogo resguardados pelo sigilo profissional.

CONCLUSAO

Não devemos esquecer que o teletrabalho é um valor a serviço da sociedade e que ao contrário do que se temia não levou ao desemprego maciço, ele criou oportunidades de emprego diferentes daquelas que estávamos acostumados.

Como qualquer realidade social, o teletrabalho envolve implicações susceptíveis de serem valoradas positiva ou negativamente às vezes pelas mesmas razões por diferentes atores e grupos sociais.

Por isso, possíveis entendimentos como vantagens ou desvantagens devem ser compreendidos como potenciais para o trabalhador, a depender das condições reais oferecidas pela empresa, pelo trabalho e pelo contexto inserido do trabalhador em que se efetua o teletrabalho.

 

DA ROCHA, C.T.M.; AMADOR, F.S. O teletrabalho: conceituação e questões para análise. Cad. EBAPE.BR, v. 16, nº 1, Rio de Janeiro, Jan./Mar. 2018.

FALZON, P. Ergonomia construtiva. São Paulo: Blucher. 2016.

FONSECA, R.L.A.; PÉREZ-NEBRA, A.R. A epidemiologia do teletrabalhador: impactos do teletrabalho na saúde mental1 Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 2012, vol. 15, n. 2, p. 303-318.

PFEFFER, J., Building Sustainable Organizations: The Human Factor (January 1, 2010). Stanford University Graduate School of Business Research Paper No. 2017.

SILVA. G. E. Teletrabalho: nova configuração de trabalho flexível e possíveis efeitos à subjetividade e saúde mental dos teletrabalhadores. Dossiê Trabalho & Subjetividade. Revista Espaço Acadêmico n. 28. 2018.

SERRA, P. O teletrabalho: conceitos e implicações. 1995/96. Disponível em: http://bocc.ubi.pt/pag/jpserra_teletrabalho.html Acesso em 03/08/2020.

 

 

Dr. Alexander Buarque Costa Cardoso. Médico do Trabalho. Diretor de Ética da APMT.

Deixe uma resposta

Fechar Menu